Arquivos da cateroria 'Direto do Forno'

Pão e Circo do Bem

terça-feira dia 15 de outubro de 2013

Contrariando a velha política de Pão & Circo em que, desde a Roma Antiga, o Estado cria ações com o intuito de manter-se livre de revoltas, os panificadores de Pelotas vão erguer sua lona no Largo Edmar Fetter com o objetivo de despertar a consciência e conquistar o apoio dos pelotenses para uma importante atitude: sermos doadores de sangue, medula óssea e órgãos .

O “espetáculo da solidariedade” alusivo à passagem do Dia Mundial do Pão (16 de outubro) vai acontecer na sexta-feira, 18 de outubro a partir das 13h, junto ao Mercado Central. As grandes estrelas serão os pelotenses de bom coração que estarão se cadastrando junto ao Hemocentro Regional de Pelotas como potenciais doadores. Como forma de agradecer ao gesto, kits com produtos das padarias locais serão oferecidos àqueles que se dispõem a compartilhar a VIDA.

Lembre-se de que muitas pessoas esperam pela oportunidade de recomeçar. Você pode diminuir essa espera. Alimente a vida de alguém. DOE!

pão e circo

Patrimônios do Paladar

quarta-feira dia 28 de agosto de 2013

Tem coisas que só gaúcho fala. Outras que só os pelotenses e alguns privilegiados entendem e apreciam: Vovó Sentada e Dentinhos de Moça é ao que me refiro. Orgulhosamente exalto – nestes dias em que Pelotas celebra seu patrimônio – os biscoitos que fizeram a história e são a marca da Padaria Estrela.

São 64 anos de saberes e modos de fazer inconfundíveis. Reconhecida como Instituição Emérita no Bicentenário da Princesa do Sul, nossa arte de produzir alimentos também reflete a identidade cultural de nossa cidade.

Se os doces pelotenses têm selo de procedência e são considerados patrimônio imaterial, nossos biscoitos e bolachas estão gravados na memória e no coração de quem os consumiu ao menos uma vez. Desculpem-me a falta de modéstia!

Talvez a leveza e a crocância possam ser suas características mais apreciadas e justificar o sucesso que ultrapassa seis décadas. Haveria algum segredo na receita? Difícil crer…  Os ingredientes que os compõem não vão além de farinha, água, gordura, sal, açúcar e dão origem a um “sem” número de outras misturas.

O segredo está na mão. Está na mão que escolhe. Que mistura. Que transforma. Que amassa e que assa. Todos fazendo o melhor, mas cada um colocando sua mão e seu talento há gerações. É esse o grande lance: a produção artesanal, o transmitir do know how, fazendo do ofício uma arte.

Julho, seu LINDO!

terça-feira dia 9 de julho de 2013

Que rufem os tambores,  soem as trombetas e toquem os sinos! Estamos em JULHO, o mais lindo dos meses. Recheado de simbologias, tem um sabor incomparável em relação aos demais integrantes do calendário. No meu imaginário, o ar frio do mês sete é invadido pelo aroma doce e quente de um bolo recém saído do forno.

Bolo que convida à confraternização e à interatividade. Julho é o mês de aniversário da minha cidade, da princesa e úmida Satolep. É o MEU mês de aniversário e de um  monte de gente linda! É quando celebramos a competência de uma classe responsável por produzir o pão nosso de cada dia (8 de julho é data consagrada aos panificadores). É no dia 29 que eu e meus irmãos reverenciamos a competência e os esforços de nosso pai em nos legar uma maravilhosa ESTRELA.

Aí reside toda beleza que vejo e sinto neste intervalo de tempo de 31 dias entre junho e agosto: a oportunidade de celebrarmos histórias, conquistas e derrotas e exercitarmos o milagre da renovação.

Quer um teco?

bolo

Uma escola de negócios

segunda-feira dia 29 de abril de 2013

Em torno do PÃO, em seu nome ou  a partir de oportunidades geradas pela sua simples presença constroem-se negócios que no mundo todo alcançam valor incalculável.

A indústria da panificação no Brasil é hoje representada por mais de 50 mil estabelecimentos de pequeno e médio porte, gerando cerca de 600 mil empregos diretos e outros 2,5 milhões indiretamente, que movimentam em torno de R$ 20 bilhões ao ano, ou seja, cerca de 2% do PIB (Produto Interno Bruto).

É por causa desse simples mas fantástico alimento que o Sindippel (Sindicato das Indústrias de Panificação de Pelotas existe. Através das empresas filiadas, que geram empregos, acompanham a evolução do setor, pagam seus impostos em dia, investem em higiene, treinam seus funcionários e primam pela procedência e qualidade de seus produtos, o Sindicato busca contribuir para o crescimento da economia do Município.

Os empresários de panificação de hoje guardam cada vez menos semelhanças com o de algumas décadas ou mesmo anos atrás. A figura romântica do padeiro dá lugar ao panificador empreendedor que se preocupa em gerenciar os itens que fabrica com a precisão de um relógio, acompanhando a quantidade de ingredientes, as pesquisas de preferência dos consumidores, a forma de exposição, o tempo necessário para a mercadoria girar, o nível de estoques. UM OLHO NAS PLANILHAS E OUTRO NO MUNDO!

É esta visão ampliada e focada  que os novos dirigentes do Sindippel querem partilhar com o setor. Reuniões, palestras e seminários para a troca de experiências e criação de estratégias são as principais pautas da gestão 2013/2016.

JORGE Almeida Pane Mio - Presidente

JORGE Almeida
Pane Mio – Presidente

PAULO Frio Padaria Estrela Tesoureiro

PAULO Frio
Padaria Estrela
Tesoureiro

ALVARO Mendes Koisa Nossa Secretário

ALVARO Mendes
Koisa Nossa
Secretário

Fé e esperança: FERMENTOS da alma

sexta-feira dia 22 de março de 2013

17 de março de 2013. O calendário indicava domingo. A mente e o coração assinalavam 120 dias passados do acidente envolvendo o meu irmão Paulo e outros cinco familiares nossos. Houve muita dor e angústia. Vieram os milagres, a superação e a certeza que alguém lá em cima gosta muito de nós e nos abençoa a cada dia…

É fato que ainda estamos redesenhando nossa rotina, adaptando-nos mas, ao mesmo tempo, estamos atrevendo-nos a construir novos sonhos. O impacto sofrido, os danos materiais, as perdas irreversíveis servem hoje de alicerces para transpor  barreiras e transformar o impossível em possível.

Tivemos o privilégio de celebrar o Natal, acompanhar a chegada do Verão, curtir o Carnaval, saudar o Outono e vamos festejar a Páscoa, literalmente. Juntos de coração e em oração. A Páscoa é símbolo de vitória, de passagem das trevas para luz, da morte para a vida. É uma injeção de ânimo para todos aqueles que creem que não estamos aqui por acaso ou para pouca coisa.

Houve um tempo em que eu me rendia absolutamente aos encantos do Natal: o Menino Jesus e todos os personagens do Presépio, Papai Noel, as renas, os bonecos de neve, os enfeites da árvore. Hoje, a Cruz, o Coelho, os ovos disputam em pé de igualdade minha preferência. Tenho o mesmo entusiasmo para decorar a casa, elaborar cardápios, escolher presentes e enviar mensagens. Ao ampliar as possibilidades de me reenergizar faço crescer as oportunidades de ser e fazer feliz.

Por isso, todas as datas do calendário merecem destaque. Cada amanhecer é um novo ATO deste magnifico ESPETÁCULO denominado Vida. Felizes somos nós, independente das circunstâncias, por podermos estar EM CENA.

Feliz Páscoa!

 

 

 

 

Tudo o que é bom combina com pão

quarta-feira dia 27 de fevereiro de 2013

Amo pão. Não só pelo aroma e sabor peculiares, mas por tudo o que representa. É o mais completo alimento quando tratamos de sensações e emoções. E o mais democrático deles, afinal está presente no mundo inteiro. A incapacidade tê-lo à mesa traduz a mais absoluta miséria econômica e social.

Embora faça parte de minha história desde meu nascimento, a mistura mágica de farinha, água e fermento deixou a condição de coadjuvante e galgou degraus da fama em minha trajetória profissional, ao longo da última década. Eis que a especialista em SOPA DE LETRINHAS (sou jornalista de formação e  coração) viu descortinar em sua frente a oportunidade de colocar a MÃO NA MASSA. Tudo por obra do acaso. Ou não.

Empresários do segmento de panificação davam seus primeiros passos em busca da QUALIDADE. A Padaria Estrela estava lá e fui chamada a colaborar em um dos encontros. O grupo era heterogêneo. Dezesseis empresas, múltiplos rostos e infinitas possibilidades. Acabei mergulhando de cabeça.

Mark up, insumos, padronização de processos, festivais, plano de ação são palavras que deixaram o dicionário para incorporar o meu vocabulário cotidiano. Juntaram-se a essas muitas outras que não posso deixar de mencionar: pesquisas de satisfação, avaliação de desempenho, oficinas técnicas. Com certeza a mais importante delas é PARTILHA.

O universo do pão propiciou-nos  a troca de experiências. Com ela, a abertura de novos caminhos,  a ampliação de horizontes. Padarias são sinônimo de empresas familiares. E foi como FAMÍLIAS que nos percebemos e atuamos. O grupo dos 4+1 estava formado. Aprendemos que o  processo de busca de soluções é viável.  Quando uma família se vê diante de outra que já avançou em uma área ainda nebulosa para ela, tem a percepção dos resultados possíveis e renova sua motivação para buscar resultados.

Ao dividirmos o PÃO, no sentido de tornar comum nossas práticas de trabalho, descobrimos que as nossas dificuldades não são exclusivas e construímos laços de solidariedade. Ingressamos no mundo da responsabilidade social e ambiental. Realizamos visitas técnicas. Promovemos seminários. Vamos a seminários e feiras. Trocamos receitas, impressões. Pensamos o segmento da panificação. Comprometemo-nos com ele. Isso é bom.

Se é BOM, combina com PÃO.

PS: Dedicado a Mario Medeiros, Ramiro Rodrigues, Francisco Molon, Maria do Carmo Molon, Gilberto Ponce Dias, Carlos Xavier e Paulo Frio, é claro!